Afinação – a prática leva à perfeição

28/

04/13

Me lembro dos tempos em que estudava na escola de música… Todos os professores falavam para tocar afinado, para buscar a afinação, para estudar com o afinador… Assistindo o vídeo que postei acima, me pergunto: será que estes músicos aprenderam a tocar tão afinados apenas estudando com um afinador? Será que existe algo mais? A afinação tem algum segredo, ou qualquer pessoa pode tocar assim afinado?

Voltando aos tempos da escola de música, hoje em dia eu lamento não ter tido aulas deste assunto quando era bem pequeno e estava começando a aprender a tocar flauta doce, aos meus oito anos de idade. Vejo alguns alunos muito pequenos, que aprendem a ouvir intervalos afinados desde cedo, não têm dificuldade alguma para afinar seus instrumentos ou tocar afinado em um grupo. Porém, mesmo não sendo tão jovem, podemos aprender alguns conceitos e parâmetros que nos ajudam a tocar sempre afinados.

Aprendendo a ouvir

Como aprendemos a falar? Se não se lembra de suas primeiras palavras, preste atenção em uma criança e veja como ela aprende a falar. Os pais repetem a palavra “mamãe” e “papai” 1.000.000 vezes, até que a criança repita a palavra, e assim, pela audição e repetição, a criança vai aprendendo um vocabulário cada vez mais extenso. Esta é a forma mais natural de aprender um idioma, e tenho tido diversas experiências que me comprovam que a música é apenas mais um idioma, e pode (e deveria!) ser ensinado desta mesma forma.

Mas o assunto era afinação… mas haveria outra forma de aprendermos sobre afinação de forma teórica, sem ouvir primeiro? Talvez sim, mas seria muito mais difícil. Primeiro temos que ouvir a diferença entre duas notas afinadas, e duas notas desafinadas. Por que duas? Pois se existir apenas uma nota, não temos a referência auditiva que informa nosso ouvido de forma objetiva que a nota está afinada ou desafinada.

Áudio que demonstra intervalos de uníssono, oitavas, quintas justas, terças maiores e menores, e acorde maior e menor

Esta é a referência que precisamos para saber o que é um intervalo de uníssono, oitava, quinta justa e terça maior, respectivamente. Em cada um dos intervalos, ele inicia afinado (sem batimentos), depois desafina (passa a ter batimentos), e afina novamente. Os dois acordes do final são acordes com afinação pura.

Batimento: é o resultado da diferença das frequências de duas notas diferentes. O resultado sonoro é parecido com um vibrato, a nota faz um zumbido dissonante, ouvimos uma oscilação lenta ou rápida dependendo do tamanho da desafinação. Para ter notas afinadas, não deve haver batimentos entre as notas.

O que fazer para afinar a flauta doce

Primeiro devemos ter em mente que a flauta doce não é um instrumento temperado,  ou seja, que as notas não são fixas como as do piano, por exemplo. Temos várias formas de alterar a afinação de uma nota:

– Alterando o tamanho do instrumento, abrindo ou fechando o encaixe – Variando a pressão do ar, assoprando mais ou menos – Alterando o dedilhado das notas, usando diferentes dedilhados para a mesma nota – Tampando ou abrindo metade dos furos usados no dedilhado (sombra)

Desta forma, antes de tocar é importantíssimo afinar o instrumento de acordo com uma referência, fazemos isso ajustando o encaixe da cabeça da flauta. A referência pode ser um afinador, um diapasão, ou o instrumento mais baixo (não o mais grave) e mais estável dentro de um grupo, afinal não podemos fechar a flauta mais do que o encaixe possibilita, mas sempre podemos abrir para abaixar a afinação.

encaixePara afinar o instrumento, devemos soprar uniformemente, sem oscilações no ar, sem vibrato, mantendo a pressão do ar confortável e da mesma forma que sopramos para tocar uma música. Desta forma, devemos tocar uma nota e compará-la com uma referência, auditivamente, abrindo o instrumento se estiver alto, e fechando o instrumento se estiver baixo. Para saber se a flauta está alta ou baixa quando ainda não temos esta percepção auditiva, assopramos pouco para que a afinação esteja baixa, e gradativamente, vamos aumentando a pressão do ar até que chegamos na referência:   quando deixamos de ouvir os batimentos. Se continuamos a aumentar a pressão do ar a partir deste ponto, voltaremos a ouvir os batimentos.

Importante: quando usamos um afinador para esta tarefa, ao invés de olhar o ponteiro, devemos colocá-lo para tocar a nota Lá e tocamos juntos para afinar os intervalos, pois queremos treinar a nossa percepção e os nossos ouvidos, e não os nossos olhos.

Assim que afinamos a nota Lá, abrindo ou fechando a flauta, temos que confirmar se está realmente afinada. Para isso, tocamos novamente, e comparamos o ataque da nota que deve estar afinado. Temos que conseguir atacar, manter e cortar a nota completamente afinada, do início ao fim. Este é um excelente exercício de respiração e percepção, que deve ser praticado por todos flautistas.

O próximo passo, é conseguir afinar os intervalos de quinta justa, isto é, se temos um afinador tocando a nota Lá, podemos tocar a nota Mi aguda ou o Ré grave, seguindo o mesmo princípio: buscamos acabar com os batimentos, isto é, o resultado deve ser um som único que funde as duas notas, sem oscilações. Como a flauta já foi afinada no início do exercício, neste ponto devemos apenas afinar mudando a pressão do ar, controlando o som para que todas as notas sejam afinadas, desde o ataque, mantendo por alguns segundos, e cortando o som sem alterar a afinação.

Temos que repetir este mesmo exercício para todas as notas da escala. Se o nosso afinador só toca a nota Lá, podemos usar um teclado como referência, para que possamos aprender a afinar todas as notas da escala. Se a referência é um Lá, tocamos o Ré grave e o Mi agudo. Se a referência é um Sol, tocamos o Ré agudo e o Dó grave, e assim por diante. Perceba que, para cada nota, teremos uma maneira certa de soprar para que a mesma esteja afinada. Se assopramos todas notas da mesma maneira, todas estarão desafinadas.

Quando conseguirmos tocar todas as notas da escala pelas quintas justas, todas afinadas, desde o ataque até o corte, podemos seguir para as terças maiores e menores, fazendo arpejos: se a referência é um Dó, tocamos Dó, Mi, Sol e também Dó, Mib, Sol. Se a referência for Ré, tocamos Ré, Fá#, Lá e também Ré, Fá, Lá, e assim por diante, sempre buscando a afinação perfeita, isto é: sem batimentos, em cada uma das notas. Para isso, não podemos ter pressa, pois, queremos escutar cada nota e treinar nosso ouvido a detectar os batimentos, além da nossa flexibilidade em alterar o sopro e alterando a quantidade de ar para afinar cada uma das notas.

Neste exercício de arpejos, nos depararemos com algo curioso: temos que mudar bastante a quantidade de ar para afinar as terças do arpejo. Experimente você mesmo antes de continuar a leitura do artigo, e veja se consegue descobrir o que devemos fazer para conseguir afinar as terças.

Dedilhados alternativos

dedilhadosFazendo o exercício dos arpejos, perceberemos que, em algumas das notas, não conseguiremos afinar apenas alterando a quantidade de ar e precisaremos usar o que chamamos de dedilhados alternativos para que possamos soprar de forma confortável em toda a escala. Acima, podemos ver uma tabela com a relação de alguns dedilhados alternativos possíveis, mostrando que a posição de Fá# é diferente da posição de Solb, assim como algumas outras notas mais usadas. Estas posições podem mudar de instrumento para instrumento.

Por isso, aconselho visitarem o o site www.recorder-fingerings.com, onde podemos ver todos os dedilhados, em uma lista bem mais completa.

semitomBasicamente, precisamos prestar atenção em duas coisas: todas as notas com sustenido (#) devem ser ligeiramente mais baixas do que as notas correspondentes com bemóis (b). Isto é, a nota Sol# deve ser mais baixa que a nota Láb. Também podemos dizer que a nota Sib deve ser mais alta que a nota Lá#, assim como o Réb deve ser mais alto que o Dó#. Isto pode ser motivo de contestações, principalmente por quem toca violino ou violoncello, mas eu explicarei as razões para isso com maiores detalhes no próximo artigo.

A segunda coisa que precisamos ter em mente é a afinação das terças: as terças maiores devem ser ligeiramente mais “estreitas”, enquanto as terças menores devem ser ligeiramente mais “alargadas”.

Embora não seja o assunto principal deste artigo, posso mencionar que também podemos escolher dedilhados alternativos para mudar o timbre. Ao experimentar os dedilhados alternativos, você perceberá que cada dedilhado tem um som característico, e podemos (e devemos) usar isso ao nosso favor, de forma criativa como mais uma ferramenta de enriquecer a música por nós tocada.

Trabalhando a afinação em um grupo

EncadeamentoAgora que já estamos habituados com o resultado sonoro dos intervalos afinados, e também já sabemos as técnicas para afinar as notas enquanto tocamos, vou introduzir um exercício para ser tocado em um grupo, um quarteto de flautas doces, mas que pode ser usado para outras formações de instrumentos não temperados, como o quarteto de cordas por exemplo.

Seguiremos os passos seguintes:

  1. Afinar os instrumentos
  2. Analisar a música, achar as quintas, terças maiores e menores
  3. Tocar o primeiro acorde afinado
  4. Tocar até o fim, com especial cuidado no último acorde

 1. Afinar os instrumentos

Para isso, temos algumas abordagens possíveis:

Afinar apenas a nota Lá em todas as flautas – Aqui, temos que iniciar com todas as flautas fechadas, e auditivamente ou com um afinador, encontramos qual flauta é a que possui a afinação mais baixa. Todas as outras flautas usam esta como referência, abrindo ligeiramente até afinar. Desvantagem: quando tocamos uma música que possui poucas notas Lá (tonalidade de Mib maior por exemplo), a afinação de toda a música pode ficar comprometida.

– Afinar com a nota da tonalidade da música – O procedimento é o mesmo que no método anterior, mas usamos a nota da tonalidade da peça. Resolve o problema da tonalidade, mas não funciona se a música modular para tonalidades distantes, ou se algum instrumento tiver algum problema pontual de afinação.

Afinar todas flautas em um único dedilhado – Flautas em Dó (soprano e tenor) tocam Lá, e flautas em Fá (contralto e baixo) tocam Ré. Esta abordagem é excelente para música renascentista e medieval, e funciona bem também em outros repertórios. Recomendo esta abordagem para todos os grupos que ainda não se familiarizaram com a afinação de acordes.

Afinar acordes na tonalidade da música – Esta abordagem é a mais completa, porém pode induzir erros nos músicos que tocam a terça do acorde. Como as terças devem ser altas ou baixas dependendo se o acorde é menor ou maior respectivamente, o músico deve ajustar seu instrumento levando em consideração este fato. Nesta abordagem, usamos pelo menos 2 acordes: o primeiro e o último da música.

Em qualquer que seja a abordagem escolhida, a intenção aqui é apenas manter os instrumentos afinados, de forma que cada músico tenha flexibilidade para alterar a afinação durante a música pelo sopro ou dedilhado, sem precisar mexer no encaixe. Afinal, precisaremos desta flexibilidade para afinar as terças e quintas de cada acorde.

2. Analisar a música, achar as quintas, terças maiores e menores

Temos agora que analisar o que iremos tocar, procurando em cada acorde as terças (menores e maiores) e quintas justas. Como este é o primeiro exercício, poupei este trabalho marcando cada um dos intervalos em cores, basta que você descubra qual cor representa a quinta, qual cor representa a terça menor e a terça maior.

EncadeamentoPreste muita atenção nas notas coloridas, é muito importante entender o que está acontecendo. Temos que destrinchar o acorde, procurando quais notas devemos tocar diferente. Quem toca as notas pretas precisa se manter bem estável, os outros mudam o sopro ou dedilhado para afinar com a nota fundamental.

3. Tocar o primeiro acorde afinado

Neste ponto, devemos usar o tempo que for necessário para afinar muito bem o primeiro acorde, sem mudar o encaixe da flauta, afinal cada flauta já foi afinada na etapa 1.

Para conseguir isso, temos que afinar primeiro a nota fundamental do acorde – neste caso o(s) Ré(s) – enquanto os outros músicos ficam em silêncio. Em seguida, quem toca a quinta do acorde – neste caso o Lá – deve tocar e afinar, sem que os outros membros mudem o sopro. A intenção é manter o que já está afinado, para que apenas um membro mude, procurando a afinação correta até encontrá-la.

Por último, aquele que toca a terça do acorde – neste exercício o Fá# – deve tocar. Novamente, quem já estava afinado não deve mudar nada, apenas quem toca a terça deve mudar o sopro e/ou o dedilhado até encontrar a afinação correta, sem batimentos.

Lembrando: A fundamental deve estar na mesma referência do afinador. A quinta do acorde deve estar cerca de 2 cents mais alto do que a referência do afinador. A terça maior do acorde deve estar 14 cents mais baixo do que a referência do afinador, enquanto a terça menor deve estar 16 cents mais alto do que a referência do afinador. Veja a tabela no final do artigo.

4. Tocar até o fim, com especial cuidado no último acorde

Apenas quando afinamos o primeiro acorde muito bem, seguimos tocando o resto do exercício. Já anotamos quais notas devem ser altas, quais devem ser baixas, isso deve servir de guia para acostumarmos o nosso ouvido e nossa técnica, possuindo assim uma flexibilidade necessária para afinar cada acorde.

Temos que ter especial cuidado nas notas ligadas, pois uma mesma nota pode ter funções diferentes quando o acorde muda. Nestes casos, podemos fazer de duas formas distintas:

– Manter a nota ligada, sem alterar a afinação – todo o grupo deve usar a nota ligada como referência para afinar o próximo acorde. Isso pode causar um problema após uma sequência longa, pois podemos com isso sair do tom inicial.

– Alterar ligeiramente a nota ligada – este é um compromisso, quem mantém a nota ligada altera ligeiramente, e os outros seguem. Desta forma o grupo precisa de mais flexibilidade auditiva, mas é o que dá o melhor resultado.

– Sempre usar a nota fundamental como referência – quem mantém a nota ligada deve estar atento às mudanças das funções dentro do acorde, e mudar a afinação da nota.

No vídeo acima vemos este mesmo exercício realizado pelos flautistas no Festival Internacional Suzuki do Perú, em Janeiro de 2013, quando fiz uma palestra sobre este assunto. Quando sabemos exatamente o que fazer para afinar os acordes, é fácil chegar a um bom resultado.

Abaixo apresento uma tabela com a diferença entre os intervalos chamados puros (sem batimentos) e os intervalos chamados temperados (usados nos instrumentos modernos e afinadores, por exemplo). Na afinação temperada, cada semitom tem o tamanho de 100 cents, mas, na afinação pura, esta distância varia em proporções simples de números inteiros. A tabela mostra, usando a mesma escala (em cents) a grande diferença entre os dois modelos de afinação, e isto deve ser considerado quando tocamos em grupo.

Aguardem o próximo artigo, com explicações mais específicas e um pouco mais de teoria sobre as razões por trás deste assunto.

Intervalo Exemplo Proporção Afinação Justa Afinação Temperada
3.a Menor C-Eb 6:5 315,6 300
3.a Maior C-E 5:4 386,3 400
5.a Justa C-G 3:2 701,96 700
8.a Justa C-C 2:1 1200 1200
Tópicos relacionados

17 Comentários para "Afinação – a prática leva à perfeição"

  1. Pingback: Artigo na revista American Recorder | Flauta doce Brasil por Quinta Essentia QuartetoFlauta doce Brasil por Quinta Essentia Quarteto

  2. Estou tentando aprender flauta doce sozinho, estou vendo vídeos no youtube, procurando materiais de estudo na internet e etc… mas a coisa parece que não é tão fácil… principalmente para manter a nota afinada… parece que até as batidas do coração desafinam o negócio… tô ralando…

    • Muitos acham que é fácil, mas pouquíssimos tocam bem o suficiente para fazer juízo de valor.
      Continue seus estudos, mas recomendo que procure um professor. Seus esforços serão bem menores com a ajuda de um bom professor.

  3. Tem momentos que parece que eu vou morrer sem folego….. Afinal, para uma YRS 302BIII qual a afinação em que deve ser regulado o afinador??? 440hz??? Se alguém puder me responder isto ficarei muito feliz. Já viu isso ficar sem ar com os pulmões cheios de ar…?

    • A afinação na flauta doce varia dependendo da temperatura e pressão do ar. Não há como você definir o diapasão dessa forma. Mas provavelmente se você colocar o afinador em 442 ou 441, você conseguirá afinar corretamente abrindo um pouco o instrumento.
      Lembre sempre de afinar com os ouvidos, não com os olhos. Coloque o afinador tocando uma nota e afine a flauta pela nota, sem olhar para o ponteiro. Estamos sempre buscando melhorar a nossa percepção auditiva, não a leitura do ponteiro.

    • É muito fácil dizer que os problemas estão no instrumento. A flauta pode ter problemas de afinação, mas quem deve saber afinar é o músico, pois o instrumento não faz todo o trabalho sozinho.
      O primeiro passo é conhecer o instrumento. Saber quais notas são altas, quais notas são baixas, quais são afinadas, e saber como corrigir cada um dos problemas alterando a pressão do ar ou fazendo dedilhados alternativos. Este trabalho deve ser feito por todos os músicos, de todos instrumentos.
      Você pode comprar um outro instrumento. Mas se não fizer o que eu disse sobre conhecer o instrumento e buscar corrigir os problemas você mesmo, você terá gasto dinheiro e não ficará satisfeito com o resultado.

  4. Olá, Gustavo.

    Eu aprendi a tocar flauta doce com um amigo alemão, que deu uma flauta doce soprano de presente. Esse amigo me disse que era de feita de pereira. O som era uma maravilha. Infelizmente ela foi furtada, e preciso adquirir outra, mas não tenho condições de comprar uma nova. Encontrei uma flauta antiga no “mercado livre” da marca Hammerschmidt – soprano e dedilhado germânico. Diga-me, por favor: Essa marca é boa? Compensa comprar uma flauta antiga?
    Sou apaixonado por esse instrumento. Obrigado. ats

  5. Olá, estou procurando um dos artigos (esqueci o titulo) que apresenta um pé de uma flauta rachada. Gostaria de saber onde encontro-o.

  6. Ola’!
    Estou começando a aprender a tocar o instrumento. Tenho uma YRS – 302B III soprano e uma YRN – 22B sopranino. Eu toco guitarra e faço leitura na clave de sol sem muita dificuldades. Qual das duas você considera mais apropriado começar a estudar? Gosto do som das duas mais preciso me aprofundar no domínio do dedilhado de uma das duas. Depois pretendo compra outras, com som mais grave.

    • O domínio do dedilhado, tanto das posições regular quanto de todas as opções de dedilhados alternativos é a parte mais fácil do aprendizado do instrumento, esta é a parte visível e mais óbvia. Há muito mais que aprender sobre intenções musicais, articulação, fraseado, respiração, estilos, afinação, ornamentação e muito mais, que apenas um professor pode ensinar.
      Para nossos alunos, geralmente recomendamos a flauta soprano ou contralto no início, dependendo do tamanho do corpo do estudante, pois alunos muito pequenos geralmente não conseguem tocar em instrumentos maiores.
      Recomendamos que procure um professor.

  7. Thanks for the article. I work with combination tones – my students have to know for the most important intervals which combination tone they must listen to. Of course the cannot practice this alone… There are also interesting pieces by Adrian Wehlte where the combination tones make up a third line. Do you have any experiences whith that?

    • Thanks for your comment!
      Yes, I know about combination tones, sometimes I use it in my group classes, usually to show the students how the intonation and the pitch works.
      But, I don’t know this composer. I will look for his pieces, thanks!

  8. É normal a flauta não tocar corretamente as notas mais agudas da segunda e terceira oitava? Isso significa que minha flauta está desafinada? Por exemplo: eu tento tocar um dó sustenido, na última oitava, mais agudo, e sai um ré. Eu toco um sole sai um lá. Ás vezes eu tenho sucesdo com algumas notas quando manejo a língua de maneira diferente. Eu não sei se o problema sou eu ou minha flauta, que é de resina. Será que isso aconteceria numa flauta de madeira? Eu sou um iniciante, mas tenho acompanhado seus artigos e estudado pra aprender mais. Porém tenho dúvidas e problemas como esses ainda, além de não conseguir dedilhar com habilidade e rapidez ainda. Mas estou praticando e tentando melhorar cada vez mais. Aguardo sua resposta. Um abraço!

    • Você já fez essas perguntas ao seu professor? Ele certamente poderá verificar o que pode estar acontecendo: se você está fazendo os dedilhados corretos, se você está usando a técnica de articulação correta, se está sem tensões que atrapalham o seu som, se a sua postura não está atrapalhando o seu som, se algum dos dedos está mal posicionado, se a sua língua está na posição correta, e por último, se seu instrumento é o mais adequado.
      Tudo isso não pode ser avaliado apenas por uma mensagem na internet. É necessário o contato pessoal com um professor.

Deixe uma resposta


Artigo Inglês