Escolhendo uma flauta doce – Passo a passo

29/

06/13

Diferentes flautas

Muitos flautistas me perguntam como escolher um bom instrumento, e por isso, decidi publicar quais os critérios que eu uso quando tenho a oportunidade de escolher o melhor dentre um conjunto de flautas.

Temos que ter em mente que ao escolher instrumentos musicais, os critérios mais importantes são os critérios musicais. Vejo muitas pessoas escolherem instrumentos por serem mais baratos, por serem ecológicos, por serem mais resistentes, mais bonitos, por ouvir o vendedor recomendar, por que acompanham o livro ou CD, por serem vendidos na loja da esquina ou mesmo em papelarias, mas nenhum destes critérios é um critério musical, nenhum destes critérios vai garantir que você compre um bom instrumento.

Madeira ou resina?

A flauta doce é um instrumento da família das madeiras, assim como a flauta transversal, a clarineta, o oboé, o fagote e o saxofone. Mas a flauta transversal é feita de metal, e o sax também! É verdade, nos dias de hoje, mas nem sempre foi assim; todos os instrumentos da família das madeiras (exceto o saxofone) eram feitos de madeira na sua origem. Além disso, esta família dentre as outras dos instrumentos de sopros se diferencia por ter seu som produzido em tubos perfurados, onde ao abrir cada um dos furos a coluna de ar muda seu comprimento, mudando assim a nota produzida. Nos instrumentos de metais, por exemplo o trompete, trompa, bombardino, trombone e tuba, não existem furos no corpo do instrumento.

Podemos dizer que até a segunda guerra mundial, não existiam flautas doces feitas de plástico ou resina. Naquela época, a flauta doce estava sendo re-descoberta, através de pesquisas dos instrumentos antigos que não eram mais utilizados, como o cravo e a viola da gamba, e a flauta doce passou a ser utilizada como instrumento de musicalização por ser um instrumento de construção menos complexa e menor em tamanho do que o piano ou violino, por exemplo.

Segundo Edgar Hunt, as primeiras flautas de plástico (acetato de celulose) começaram a ser produzidas no meio da segunda guerra mundial pela Schott & Co, em meados de 1941, e eram enviadas para os prisioneiros de guerra alemães. Acho que o plano era dominar o mundo! (brincadeira…)

A partir daí, muitos outros fabricantes começaram a produção de flautas doces de plástico ou resina. Dolmetch, John Grey & Sons, Lewis & Scott Mfg. Co. são alguns dos fabricantes desta época, que se aventuraram a produzir flautas doces. Todos estes estavam mais interessados na produção em massa de instrumentos baratos do que na melhoria da qualidade destes instrumentos, e infelizmente este pensamento perdura até hoje quando o assunto é flauta doce de plástico ou resina.

“Hoje em dia, os designers dos fabricantes de flauta doce voltados para o público amador e escolar continuam a produzir flautas doces com som mais brando e parecido com o da flauta transversal do que as flautas originais históricas do séc. XVIII em que se baseiam. No entanto, estas flautas doces neo-barrocas são essencialmente instrumentos solistas, e são inadequados para tocarem juntos em conjuntos de flautas doces ou consorts. Como veremos, estes instrumentos exigem uma técnica de fato muito sofisticada, pois o timbre e afinação são apenas aceitáveis para alguns ouvintes, mas não aceitáveis para pessoas um pouco mais exigentes. Quando tocadas em conjunto por crianças ou amadores adultos, geralmente produzem som áspero e dissonante. O modelo de flauta doce mais adequado para utilização por crianças e amadores é certamente a flauta renascentista, que é um instrumento concebido para tocar em conjunto e misturar o som com os outros instrumentos.
Trecho retirado do artigo “Instrumento de tortura ou instrumento musical?
por: Nicholas S. Lander
fonte: http://www.recorderhomepage.net/torture2.html
tradução: Gustavo de Francisco

Posso dizer que a maioria dos instrumentos de plástico ou resina encontrados em larga escala no Brasil são apenas brinquedos, ao invés de instrumentos musicais. Existem alguns modelos, de alguns fabricantes, que são adequados à iniciação musical e podem ser usados por quem começa a estudar flauta doce.

No Brasil, as flautas doces de resina da Yamaha são as mais encontradas em lojas de instrumentos musicais, mas a Yamaha não é a única fabricante; além dela a Zen-On e Aulos também fazem flautas de resina com qualidade similar ou melhor que Yamaha, porém não têm distribuição em larga escala em nosso país. Em minha opinião, as flautas barrocas da yamaha da série 300, aquelas em 2 cores ou com corpo imitando madeira, são flautas adequadas e baratas para iniciar o estudo do instrumento, começar com um instrumento ainda mais barato pode prejudicar o estudo, pois a má qualidade do instrumento interfere diretamente no aprendizado. Para aqueles que pretendem seguir estudando seriamente, é necessário usar um bom instrumento de madeira e esquecer qualquer instrumento de plástico ou resina.

Dedilhado: barroco ou germânico?

Muita gente pergunta qual dedilhado é “melhor” ou mais adequado: o barroco ou germânico. Primeiro vamos às diferenças:

Barroco Germânico
A nota fá tem dedilhado de forquilha A nota fá tem dedilhado simplificado
Notas como Fá # e Sol # tem dedilhado mais simples Estas notas tem dedilhado mais complexo, e geralmente são desafinadas
A flauta possui sonoridade mais equilibrada, e timbre mais aveludado Sonoridade desequlibrada, e afinação comprometida

Um pouco de história: em meados de 1920 – 1930, quando a flauta doce estava começando a ser pesquisada depois de um longo período esquecida, um alemão que tocava flauta transversal teve contato com uma flauta doce histórica, produzida no séc. XVIII, ou seja, uma flauta barroca. Ao tentar tocar esta flauta, percebeu que a nota fá não era “afinada” como ele esperava, mas ele não se deu conta que o dedilhado desta nota na flauta doce era diferente do dedilhado que ele já estava acostumado na flauta transversal. Como ele sabia construir instrumentos, alterou o diâmetro dos furos para que o fá pudesse ser tocado conforme ele já estava acostumado. Desta forma nasceu o dedilhado germânico (ou alemão).

Algumas pessoas argumentam que ele sabia exatamente o que estava fazendo, pois tinha interesse em facilitar o estudo do instrumento para crianças que estudavam flauta doce e que assim pudessem mudar de instrumento e tocar flauta transversal, clarineta ou oboé no futuro, porém este argumento é muito fraco pois, embora sejam parecidos, cada um destes instrumentos têm dedilhados diferentes.

A mudança no diâmetro dos furos trouxe uma mudança acústica nas novas flautas [germânicas], que quando comparadas com as flautas barrocas, têm o timbre mais claro e áspero além de geralmente desafinadas, enquanto as barrocas costumam ter som mais homogêneo e escuro, e mais afinadas.

Além das mudanças no som, isto trouxe outras complicações: ao alterar os furos para facilitar a nota fá, o dedilhado de outras notas também mudou. Tanto o fá # como o sol # tiveram seu dedilhado alterado para algo mais complicado.

Resumo: a flauta germânica tem a nota fá “simplificada”, mas para isso tem seu som piorado e outras notas mais complicadas quando comparada com a barroca. Se pretendemos fazer música boa aos nossos ouvidos, precisamos procurar o melhor som possível, por isso devemos deixar de lado qualquer instrumento que não seja adequado a este objetivo. Se a flauta barroca tem som melhor e mais afinado que a germânica, devemos escolher a barroca, sempre.

Barroco ou GermânicoEncontrei a imagem acima no site da Yamaha, mostrando como distinguir uma flauta barroca (à direita) de uma germânica (à esquerda). Uma mudança aparentemente pequena no instrumento, mas que causa uma grande mudança na qualidade sonora.

“Ainda bem que o dedilhado germânico nunca foi largamente utilizado fora da Alemanha, Áustria e Suíça. Mesmo nestes países, as flautas germânicas tem sido deixadas de lado nos últimos 50 anos devido ao aumento da percepção das falhas acústicas destes instrumentos. Relativamente, são pouquíssimos professores que continuam a usar estes instrumentos. Alguns fabricantes europeus, que no passado faziam flautas com ambos os dedilhados, nos últimos anos reduziram a produção dos instrumentos germânicos, e apenas disponibilizam flautas germânicas em um ou dois modelos mais baratos e voltados apenas para estudantes iniciantes”.
Trecho retirado do artigo “Sistemas de dedilhados na flauta doce – o bom, o mau e o feioso”
fonte: http://www.aswltd.com/finger.htm
Tradução: Gustavo de Francisco

Além do dedilhado barroco (inglês) e o dedilhado germânico (alemão), existem flautas doces com outros padrões de dedilhados. O que chamamos hoje de dedilhado barroco, é o dedilhado mais próximo do que era usado nas flautas doces barrocas, ou seja, as flautas produzidas nos séc. XVII e XVIII, porém estas flautas históricas geralmente tinham os furos menores, de forma que algumas notas tinham dedilhados diferentes dos padronizados hoje em dia.

Podemos separar então os dedilhados em 4 grandes categorias, sendo as duas primeiras as mais comuns encontradas nas flautas de fábrica, mas é importante saber que existem flautas, geralmente feitas por luthiers, que usam outros tipos de dedilhado:

  • Germânico (ou alemão) – adaptação moderna alemã do dedilhado barroco histórico.
  • Barroco (ou inglês) – adaptação moderna inglesa do dedilhado barroco histórico. É aceito como padrão mundial hoje em dia.
  • Barroco histórico – encontrado nas flautas históricas barrocas ou cópias destes instrumentos. O dedilhado varia ligeiramente de instrumento para instrumento.
  • Renascentista – encontrado nas flautas históricas anteriores a 1650, modelos praetorius, bassano, kynseker, etc. O dedilhado pode variar de instrumento para instrumento.

É possível consultar o dedilhado de vários modelos de flauta doce no site www.recorder-fingerings.com.

Modelos

Modelos

Quando decidimos comprar uma nova flauta, primeiro pensamos em qual flauta devemos comprar. Geralmente pensamos: preciso de uma nova flauta soprano, ou uma nova contralto, ou uma tenor… Mas isso não é suficiente pois existem flautas sopranos de diferentes modelos, assim como contraltos, e tenores…

Ao visitar a página da Mollenhauer, por exemplo, encontraremos os modelos Denner, Dream Recorder, Kynseker, as flautas harmônicas Tarasov, as modernas Helder, e outras mais. E AGORA? O QUE FAZER???

Geralmente escolhemos os instrumentos de acordo com o repertório que iremos tocar. Como o repertório mais extenso da flauta doce é o repertório barroco, com muitas sonatas e concertos de compositores como Telemann, Vivaldi, Haendel, Bach e outros, a flauta barroca é a que todo flautista deve ter, antes de pensar em investir em um segundo instrumento.

A família Denner foi uma família de luthiers, que viveu no séc. XVIII e fabricava instrumentos de sopro: flautas doces, traversos, oboés entre outros. Todos instrumentos com este nome (modelo Denner) são instrumentos barrocos, geralmente com dedilhado barroco (exceto se especificado diferente), e são adequados a todo flautista. Digamos que é o padrão. Assim como esta, também encontraremos flautas Rotemburgh, Debey, Bressan e Hotteterre, todas barrocas porém fabricadas por diferentes famílias de luthiers.

Ainda dentro das flautas chamadas barrocas, existe uma infinidade de modelos “neo-barrocos” produzidos pelas fábricas Mollenhauer, Moeck, Kueng, Yamaha, Aulos, Zen-on, e outros. Estes modelos não tem a pretensão de seguir uma cópia de instrumentos históricos e por isso não levam o nome dos luthiers, mas muitas vezes, são instrumentos muito bons. Todas as flautas barrocas alcançam 2 oitavas inteiras e mais uma segunda ou terça maior. É possível alcançar notas ainda mais agudas, dependendo do instrumento.

KynsekerExistem também as flautas renascentistas, diferentes das barrocas na sonoridade e no dedilhado, mas costumam ter o nome dos modelos seguindo o nome dos luthiers que as fabricavam da mesma forma que as barrocas: Bassano, Praetorius e Kynseker (foto) são alguns exemplos destas. A característica principal das flautas renascentistas é o formato do tubo, que é cilíndrico ao invés de cônico como nas barrocas; além de possuir furos muito maiores que suas parentes. Isso traz mudanças significativas na sonoridade, gerando um som muito mais potente especialmente nas notas graves e ligeiramente mais agressivo, porém mais apropriado do que as barrocas para tocar em conjunto de flautas doces.

As flautas renascentistas têm dedilhado diferente das barrocas, conforme já mencionei. Normalmente estas flautas têm uma tessitura um pouco menor que as flautas barrocas, alcançando até duas oitavas, mas geralmente sem alcançar a terceira oitava.

Dream RecordersAinda temos as flautas modernas, instrumentos desenvolvidos recentemente para ampliar as possibilidades deste instrumento tão maravilhoso: a flauta doce.

Nesta categoria, posso mencionar as dream recorders (foto), ou flauta dos sonhos, que foram desenvolvidas pela Adriana Breukink para obter a união das vantagens das flautas barrocas e renascentistas em um único instrumento: o ideal sonoro da renascença com o dedilhado e tessitura das flautas barrocas. Estas flautas são produzidas pela Adriana Breukink sob encomenda, mas também pela fábrica alemã Mollenhauer.

Flautas quadradasAlém destas, destaco as flautas doces quadradas (foto), ou square recorders, atualmente produzidas por Jo Kunnath na Alemanha, e foram desenvolvidas por Joachim Paetzold baseadas em tubos de órgão. Até 2012 eram fabricadas por Herbert Paetzold, sobrinho do Joachim. Esta é uma família de 5 flautas graves, onde a mais aguda é a baixo ou basseto em fá, e a mais grave é uma sub-contrabaixo em fá (2 oitavas abaixo que a basseto).

HelderExistem ainda outras flautas modernas: a flauta harmônica Tarasov (soprano e contralto), produzidas pela Mollenhauer, que possui harmônicos afinados e possibilita uma extensão ampliada até a 4.a oitava; a flauta Ehlert (contralto e tenor), produzida pela Moeck, com características sonoras modernas e maior volume, a flauta Helder (foto) contralto e tenor, produzida pela Mollenhauer, com bloco e teto móvel, que possibilita a mudança de timbre e possui uma sonoridade muito homogênea em toda a tessitura, e a mais nova invenção: a flauta Eagle, desenvolvida pela Adriana Breukink e produzida em conjunto com a Kueng, com o som muito potente, para que possa ser usada para tocar junto com instrumentos modernos, como piano, violino ou como solista em uma orquestra.

Agora que já sabemos qual instrumento iremos comprar, temos que saber escolher o melhor dentre os instrumentos disponíveis, ou ao menos, avaliar se o único disponível é bom o suficiente. Aguardem, pois o próximo artigo será voltado aos critérios qualitativos na escolha do instrumento.

51 Comentários para "Escolhendo uma flauta doce – Passo a passo"

  1. Gustavo, obrigado por compartilhar os seus conhecimentos, pesquisas e traduções para o portugues e para o entendimento de assuntos sobre a Flauta Doce. Abraço grande.

    • Caro Sérgio
      Obrigado pelo comentário. Acho muito importante esclarecer e divulgar nosso instrumento, pois aqui no Brasil faltam boas referências da flauta doce, que sejam acessíveis a todos. Considero o meu esforço uma gota no meio do oceano, pois falta muito por fazer.

  2. Isto é conversa de bacharel. Se vc for dar aulas nas licenciaturas do Brasil verá uma realidade muito diferente e insignificante mudança. Como vc disse para “iniciante pode ser a germânica”. Pois bem isso é que o estudante de licenciatura em música.
    De qualquer forma o artigo o artigo interessante, Parabéns!

    Cleuton Batista.

    • Caro Cleuton, isso não é conversa de bacharel, o que acontece é que aqui no Brasil temos pouquíssimas boas referências e a maioria se acomoda com algo menos que o mínimo. E em nenhum momento disse que para iniciante pode ser a germânica, disse que “precisamos procurar o melhor som possível, por isso devemos deixar de lado qualquer instrumento que não seja adequado a este objetivo”. E quando a nossa realidade não está boa o suficiente, temos que fazer algo para melhorar o que existe ao nosso redor!

  3. Olá Gustavo , achei muito interessante este artigo, só acho que você poderia esclarecer um pouco mais sobre os modelos de flautas(Bressan, Denner, Ripert, Stanesby, Debey) para esclarecer melhor um público de estudantes mais avançados e até de profissionais.

    • Olá, Gabriel
      Estes modelos são modelos que estão guardados em museus, flautas que foram construídas por luthiers com o mesmo nome, nos séc. XVII e XVIII. A mais conhecida (e também mais copiada) é a modelo Denner, pois a flauta deste modelo que está no museu de Nuremberg toca exatamente no diapasão 415Hz, que é tido como padrão para música barroca hoje em dia, e isso faz este modelo o mais fácil e fiel para reproduções. Todas as outras possuem outros diapasões, como 402Hz, 418Hz, 390Hz, 460Hz. Aconselho a leitura do livro “The history of A” de Bruce Haynes, que fala destas diferenças de diapasões em diferentes cidades e épocas.
      Cada um dos modelos citados têm características sonoras próprias, porém todos pertencem a uma mesma estética musical, todas são flautas barrocas, e podem ser utilizadas para tocar o mesmo repertório.

  4. Olá, gostaria de saber uma dica de vocês. Como faço para encontrar um bom professor de flauta doce? Quero dizer, como saber se o professor é realmente bom? Pois pelo que escuto por aí, parece que muitos levam a flauta doce apenas como instrumento de inicialização infantil mesmo e não a sério realmente. Obrigado.

    • Olá Caio
      Um grande sábio certa vez disse: devemos analisar a árvore pelos seus frutos. Sendo assim, podemos analisar um professor pelos seus alunos ou pela sua performance, se deseja saber se um professor é bom, veja quanto os seus alunos se desenvolveram após ter aulas com ele. Se isso não for possível, assista concertos deste professor, e analise se toca bem. Pergunte aos seus alunos se o professor é generoso, se ensina todos os caminhos para resolver os problemas técnicos, se dá meios para que seus estudantes se tornem melhores que ele próprio, sem dúvida alguma este será o melhor professor, pois além de técnica ele ensina humildade pelo bom exemplo. Procure professores que incitam a cooperação entre seus alunos e colegas, pois a competição sempre existirá pela própria natureza do ser humano. Procure professores que somam e multiplicam, e fuja daqueles que te subtraem. Para um professor, ter boa formação é importantíssimo, mas ser boa pessoa é ainda mais importante por que o professor é o exemplo maior, e por isso tem a obrigação de formar o caráter de seus tutelados.

  5. Pingback: Diferenças entre flautas de resina e de madeiraFlauta doce Brasil por Quinta Essentia Quarteto

  6. Gostaria de comprar uma flauta doce de madeira de uma qualidade razoável, com todas as características que vc apontou.Onde encontro?

  7. Prezado Guatavo,

    Estás de parabéns pelos pelos posts sensacionais e esclarecedores sobre este instrumento maravilhoso que e a flauta doce. De fato ainda temos poucas boas referências aqui no Brasil mas temos a oportunidade de transformar isso e tornar melhor nossa realidade. A cada esforço no sentido de aproximar mais as pessoas no conhecimento da história e técnica do instrumento fará com que venhamos a nos tornar melhores cada vez mais. Meus parabéns a vc e ao Quinta Essentia pelo trabalho

  8. Olá, estou iniciando na flauta doce de forma amadora. Queria perguntar se você sabe algum site para conseguir partituras ou a indicação de algum livro de partituras para flauta doce.

  9. Gostaria de saber a diferença entre flauta soprano germânica e contralto germânica, posso assistir videos aula da soprano para tocar a contralto? Já que é dificíl encontrar aulas da contralto? Grata.

    • Olá Jéssica
      A diferença, a grosso modo, é que a soprano é em dó e a contralto é em fá, isto é, quando todos os furos estão tampados, a soprano toca a nota Dó e a contralto toca a nota Fá.
      Não recomendo o uso das flautas germânicas. Neste mesmo artigo eu explico as razões para se utilizar as flautas barrocas ao invés das germânicas.
      Melhor que assistir video-aulas, é fazer aulas presenciais com um bom professor. Há muitas coisas que não podem ser aprendidas através de vídeo-aulas, pois nelas o professor não pode te corrigir caso esteja fazendo algo errado, e também não pode te orientar sobre o repertório e todo o caminho a ser percorrido no seu aprendizado.

  10. Onde eu posso saber mais sobre flauta harmônica Tarasov (soprano e contralto), produzidas pela Mollenhauer.???

    • Olá Raphael

      Esta é uma flauta moderna, e foi desenvolvida para obter uma tessitura ampliada e resposta sonora mais homogênea em toda a tessitura do instrumento. Para isso, possui o diâmetro interno com menor conicidade do que uma flauta barroca.
      Além disso, possui uma extensão para o si grave (na soprano) e para o mi grave (na contralto). Esta extensão também facilita a obtenção das notas agudas, da terceira oitava.

      Usamos estas flautas no Quinta Essentia Quarteto para o repertório “Falando Brasileiro” – inclusive em nosso CD – e também em todo repertório moderno e contemporâneo. outra flautista famosa que usa estas flautas é a Michala Petri, e você encontra vários vídeos dela no youtube usando estes instrumentos.

      Caso queira encomendar uma destas flautas, basta clicar no link: http://flautadocebr.quintaessentia.com.br/instrumentos-a-venda/

      Veja aqui um vídeo do Quinta Essentia, onde usamos uma soprano Tarasov, uma contralto e uma tenor Helder, e uma baixo quadrada Paetzold:

  11. Olá, boa noite. Eu toco flauta doce desde os 5 anos (há dez anos atrás) e sempre gostei do instrumento, porém eu parei de toca-la há alguns anos e gostaria de voltar a toca-la com a mesma intensidade com a qual tocava aos 12 anos de idade. Qual flauta você me recomendaria? Qual você prefere e por favor especifique as diferenças dos modolos sugeridos…

    Eu toco com as mãos invertidas (a direita em cima e a esquerda em baixo), conhece algum lugar que faça flautas adaptadas? Tenho tido alguns problemas por causa disso de uns tempos para cá…

    Eu não faço questão de que a flauta recomendada por você seja adaptada…

    Aliás, exelente artigo, foi bem esclarecedor… Tenho raiva quando vejo flautas sendo vendidas por 1,99 nas lojas sem o mérito merecido… É um instrumento tão belo e ainda assim tão pouco reconhecido

    Grata, Marcela Canuto

    • Olá Marcela
      Neste artigo eu dou todas as recomendações para que você encontre uma boa flauta, sem precisar explicitar marca e modelo. De qualquer forma, eu posso te dizer que eu NÃO RECOMENDO flautas germânicas, nem flautas de brinquedo.
      Sou adepto às flautas de modelos históricos: Denner, Stanesby, Debey, Rotemburgh, Hotteterre entre outras. Não conheço instrumentos destes modelos feitos de plástico ou resina, apenas de madeira, porém existem diversos fabricantes (como a Mollenhauer, a Kueng e Moeck) e luthiers (como o Marcos Ximenes) que constróem estes instrumentos.
      Sobre flauta adaptada, sinto informar que elas não existem, a não ser que você compre um modelo histórico com furação simples de algum luthier que faça cópias de instrumentos de museus, mas estes instrumentos geralmente têm o dedilhado diferenciado em algumas notas, e muitas vezes possuem afinação diferente do padrão Lá=440Hz, que pode ser Lá = 415Hz, 402Hz, 392Hz ou mesmo 466Hz.
      Se quiser comprar uma flauta da Mollenhauer, eu sou o representante da marca no Brasil. para saber mais sobre os instrumentos, basta acessar o link:
      http://flautadocebr.quintaessentia.com.br/instrumentos-a-venda/

  12. Gostei muito mesmo! Muito esclarecedor!
    Comprei uma flauta doce Soprano Recorder YAMAHA YRS-24B. Sou do Rio de Janeiro e estou muito interessada em aprender tocar.

    • Obrigado pelo comentário, Erika!
      Sugiro que procure um professor de flauta doce no Rio, eu sugiro que procure mais informações sobre aulas de flauta doce na UFRJ, no Conservatório Brasileiro de Música, ou na ProArte.

  13. Comprei uma flauta doce soprano barroca, YAMAHA e depois de seu post, minha vontade de aprender a tocar flauta, só aumentou!

  14. Bom dia, não sei se ainda está respondendo a perguntas, porém estou com uma dúvida me perturbando. Meu filho iniciou com o uso da flauta nas aulas de musica do colégio, porém comprei a flauta barroca pois não sabia a diferença sendo que a professora vai ensinar com a germânica, ela disse que não tem problema mas pelo que estou vendo há diferença sim, dessa forma meu filho vai acabar aprendendo errado. Gostaria de saber a sua opinião. tendo em vista que a professora vai ensinar apenas a tocar da forma germanica. Obrigada
    Att

    • Olá Camila
      Obrigado por sua pergunta! Muitos pais devem ter a mesma dúvida que você, por isso escrevi um artigo especificamente sobre a flauta germânica, que pode ser lido abaixo:
      http://flautadocebr.quintaessentia.com.br/flauta-germanica/

      Caso seu filho goste de tocar flauta doce e passe a tocar mais seriamente o instrumento, em nenhum lugar do mundo ele irá encontrar flautistas sérios tocando a flauta germânica. Todos os instrumentos “de verdade” da família da flauta doce são baseados nos instrumentos históricos, e por isso seguem o dedilhado barroco (ou também conhecido como dedilhado inglês).
      Infelizmente, alguns professores usam o argumento falso que é mais “fácil” tocar com a flauta germânica, porém o que eles chamam de facilidade para tocar a nota fá, causa problemas acústicos no instrumento, piorando a afinação e dificultando posteriormente muitas outras notas (como o fá# e sol# graves e agudos).
      Nós do Quinta Essentia não recomendamos a flauta germânica, porém não temos como proibir o seu uso. Preferimos trabalhar pelo esclarecimento gratuito através dos artigos publicados em nosso blog.

  15. Sempre fui um simpatizante de flauta, fiz aulas quando criança, parei, e agora estou voltando e quero aprender de verdade. Para tocar Vivaldi, qual flauta seria adequada?
    Soprano, tenor ou contralto?

    • Olá Julian
      Vivaldi compôs música para instrumentos diferentes. Para tocar seus concertos, é necessário ter pelo menos uma soprano, uma soprano e uma contralto. Se for transcrever peças de outros instrumentos para flauta doce, talvez seja necessário também ter uma tenor e uma flauta de voz.
      Resumindo: depende da obra. Cada obra pede uma instrumentação diferente.

  16. Muito bom, tirei todas as minha dúvidas gostei muito. Obrigado por disponibilizar este material. já compartilhei com todos meus amigos.

  17. Muito obrigado Gustavo por compartilhar esses conhecimentos conosco. Eu estava em dúvida sobre qual flauta doce eu deveria adquirir e agora sei qual. Irei comprar a soprano, pois há uma variedade de músicas para a mesma, com dedilhado barroco, que mesmo tendo uma forma diferente para tocar Fá que eu estou acostumado com a germânica ela é mais afinada assim como disseste nos artigo. Eu ainda sou iniciante e pretendo praticar até a quase perfeição (isso por que ninguém consegue ser perfeito em tudo rsrs).

    • Obrigado pelo comentário!
      Ter grandes objetivos é sempre melhor do que se contentar com pouco. Temos que buscar sempre a perfeição, ampliar nossos horizontes ao invés de aceitar o que todo mundo faz como normal e suficiente. Boa sorte em seu caminho, pois este é o caminho correto!
      Abraço!

  18. Olá! Qual flauta barroca você indica para eu comprar, pensando que não sou profissional e quero gastar até 200 reais, mas prezo por um som afinado.

    Obrigada!

    • Com R$ 200, infelizmente você não tem muita opção. Seguindo o que está escrito no artigo, o melhor que você pode comprar com essa quantia será uma flauta yamaha de resina da série 300 barroca. Qualquer coisa inferior a isso será apenas um brinquedo, não um instrumento musical.

  19. Cara, espetacular o seu post!
    Meu filho vai ter aula de flauta na escola. Procurei por algo sobre qual o modelo básico que é utilizado e me deparei com todas essas informações. Deixo meus parabéns e o meu MUITO OBRIGADO.
    Um abraço e Deus te abençoe.

    • Obrigado pelo comentário Ademir. Espero que seu filho tenha boas aulas de flauta doce!

  20. Boa noite amigo, parabéns pelo post, estava com dificuldade em aprender porque todos videos que eu via faziam o fá em forquilha, mas a minha é germânica, e logo notei que ficava desafinado, e mesmo com notas corretas o som não é mt limpo e claro, gostaria de comprar uma barroca, terei dificuldades em tocar musicas com o fá em forquilha estando já acostumado com ele simples? pretendo comprar uma yamaha barroca, que série recomenda? e qual afinação é mais adequada e comum?

      • Olá. Tenho duvida de qual flauta comprar. Entre a sopranino e contralto. Gosto da sopranino por ter um agudo q se destaca em qualquer repertório. Mas o grave da contralto é mais popular sei lá agora??

        • Você espera que outra pessoa diga para você o que você precisa, ou qual instrumento você deve gostar mais?
          Ao invés disso, pense em qual repertório quer tocar, e qual instrumento melhor se adapta ao repertório.
          Algumas pessoas apenas se interessam por colecionar instrumentos, sem se preocupar com o repertório. Para essas pessoas, a resposta é fácil: compre uma de cada.

  21. Olá Gustavo!
    Parabéns ao trabalho e dedicação de vocês. Sempre fui encantada com o as flautas e depois de algumas leitura no blog, fiquei ainda mais interessada. Iniciei o estudo com a flauta transversa, a professora não colaborou muito para o meu aprendizado e nem da turma, mas é uma excelente flautista. Neste caminho meio tortuoso, estou querendo iniciar estudos por conta própria de flauta doce. Só estou na dúvida entre a marca entre a Aulos 503 B e a Yamaha 312. Como já mencionaste, depende do repertório, mas gostaria de uma sugestão por qual devo iniciar.
    Atenciosamente,

    Ísis

    • Olá Isis
      Entre as duas que você menciona (Aulos 503 e Yamaha 312) digo que são bem parecidas, sendo a aulos ligeiramente melhor.
      Lembre também que tanto a Aulos quanto a Yamaha são instrumentos para iniciantes, e que não podem de forma alguma serem considerados instrumentos “profissionais”.

      • Gustavo, agradeço imensamente a rapidez na resposta.
        Ajudastes muito……

  22. outro dia percebi que a afinação do sax e diferente do da flauta acho que dois tons, noto que quando tento tocar acompanhado por um violão na afinação 440, não bate. Minha dúvida: é assim mesmo? existe flauta na afinação 440 ou o flautista que tem que seguir essa afinação 440 que é a mais usada?

    vou dar uma olhada nos preços de vocês, da flauta que gostaria de comprar.
    grato

    • saxofone é um instrumento transpositor (dó escrito soa si bemol ou mi bemol dependendo do instrumento), enquanto a flauta e o violão soam a mesma nota que está escrita (ou são transpositores de oitava, que dá quase no mesmo).
      Veja informações sobre compra de instrumentos em http://venda.quintaessentia.com.br

        • no momento, não temos flautas usadas à venda. Sempre que surgirem flautas usadas, serão anunciadas aqui.
          Infelizmente, o nosso governo cobra impostos abusivos de qualquer pessoa que trabalhe no país, seja produzindo bens, seja importando bens do exterior. Se não fossem estes impostos abusivos, os preços cairiam pela metade. Por isso, cobre do governo para que diminua os impostos para ajudar a livre iniciativa de produzir mais, melhor, e com preços mais baixos.

  23. Ola. Eu comprei uma flauta doce serie 400 da yamaha. E quero seguir profissionalmente. Me apaixonei pela flauta doce e a ja estudo a um ano. Agora quero comprar uma flauta de madeira. As flautas de madeira da yamaha sao recomendadas?

    • Olá John
      Sugiro que leia os outros artigos do blog, sobre escolha de instrumentos. As flautas de madeira da yamaha são boas, porém dificilmente encontrará essas flautas no Brasil. Eu sou representante da Mollenhauer no Brasil, e você pode saber mais informações no link Flautas de madeira à venda.

  24. Oi pessoal, queria saber se vocês podem me informar onde posso encontrar uma flauta sopranino pequena para comprar? tem em algum site de lojas de instrumentos musicais ou tem que encomendar?

Deixe uma resposta


Artigo