Cuidados básicos com sua flauta doce

05/

04/13

Partes da flauta

Tenho visto algumas dúvidas recorrentes entre os flautistas sobre como cuidar do instrumento, como limpar, como passar óleo, qual óleo deve ser utilizado, como fazer quando a flauta entope, e muitas outras. Por isso escrevi este artigo, que será o primeiro de uma série abordando vários assuntos, para esclarecer algumas destas dúvidas.
Primeiramente farei a distinção das flautas, pois os cuidados são diferentes para as flautas feitas de plástico e as flautas de madeira. Todos os cuidados aplicados aos instrumentos de plástico também se aplicam aos instrumentos de madeira, exceto quando mencionado o contrário.

Flautas de plástico ou resina

Todo instrumento de sopro costuma condensar água em seu interior quando tocado, devido à diferença de temperatura entre o ar proveniente do sopro, o ar externo ao instrumento, e a temperatura do próprio instrumento. É o mesmo fenômeno que acontece na parte externa da garrafa de refrigerante gelado, na parede do banheiro quando tomamos um banho quente, ou no vidro da janela quando bocejamos e o vidro embaça. Nestes três exemplos, o ar quente, em contato com uma superfície mais fria, faz com que a umidade se condense, e forme gotas de água.

Este ambiente que se forma dentro do instrumento – com muita umidade, pouca luz e temperatura mais alta – é propício para a proliferação de bactérias, germes e fungos, caso não tomemos os devidos cuidados com a limpeza do instrumento. Por isso, este é o primeiro cuidado a tomar:

Manter sua flauta limpa e seca

  • Escovar os dentes antes de começar a tocar. Embora a saliva não seja a principal causa do acúmulo de água no instrumento, não podemos dizer que nenhuma saliva vá para o instrumento ao tocar, e a boca é a parte de nosso corpo com a maior quantidade de micro-organismos. Um pedaço de alimento, mesmo que minúsculo, colocado dentro de sua flauta, comprometerá diretamente a qualidade do som, além de poder trazer doenças;
  • Lavar as mãos antes de tocar;
  • Cortar as unhas, especialmente a do polegar esquerdo. Este dedo é responsável pelo furo de trás da flauta; e se a unha não estiver bem cortada,será impossível ter clareza nas notas agudas;
  • Não usar batom. Além de sujar sua flauta de uma forma que após algum tempo será impossível remover a mancha, o batom acumulado no bocal da flauta se torna um depósito de microorganismos, que pela viscosidade do batom, ficam encrustrados no instrumento;
  • Ao terminar de tocar, sempre seque a flauta, por dentro e por fora, antes de guardar. A secagem pode ser feita com um pano fino e absorvente, ou mesmo deixando a flauta tomando ar na posição vertical por cerca de 30 ou 40 minutos. Guardar a flauta úmida, ou molhada, impede que ela seque e fará com que as bactérias se acumulem dentro do instrumento;
  • De tempos em tempos, lavar a flauta com água e detergente (ler abaixo sobre a flauta de madeira). É importante lavar a flauta por dentro e por fora, especial cuidado ao lavar o bocal, a janela e o canal de ar. Estas regiões devem estar bem limpas, porém são as partes mais sensíveis do instrumento e, por isso, devem ser limpas com muito cuidado;
  • Sempre que a flauta ficar com mau cheiro lave conforme descrito acima, mas o ideal é que ela seja lavada antes que você possa notar o cheiro. Caso, mesmo após a lavagem, ela continue com mal cheiro, aplicar algumas gotas de água sanitária ou hipoclorito de sódio dentro do canal antes de lavar, deixar lá por 5 ou 10 minutos, e lavar em seguida com água e sabão. Estes produtos só devem ser usados em situações extremas, pois normalmente basta lavar com água e detergente;
  • Após a lavagem, secar completamente a flauta antes de guardar.

Outros cuidados

  • Proteger a janela (ou também chamado lábio) de mãos desatentas, quedas ou pancadas. Esta é a parte externa mais delicada da flauta doce, e qualquer dano nesta região irá certamente comprometer a qualidade sonora;
  • Para desentupir a flauta da condensação, assoprar forte pela janela. Isso faz com que a água acumulada no canal seja expelida para fora do instrumento, ao invés de entrar no instrumento. Além disso, dessa forma evitamos colocar o dedo na janela que pode, em um descuido, danificar a região (como explicado acima);
  • Sempre usar nos encaixes vaselina branca ou o lubrificante que acompanha a flauta. Esta prática ajuda a vedar os encaixes quando não estão completamente novos, diminui o atrito aumentando a vida útil do instrumento;
  • Quando a flauta está mais velha e os encaixes ficam frouxos, é possível usar um fio de cabelo enrolado na parte interna do encaixe para ajudar a fixar, contudo, o melhor mesmo, é trocar de flauta;
  • Aquecer a flauta antes de tocar. Para isso, podemos manter a cabeça da flauta no bolso, assoprar ar quente lentamente pela janela por alguns minutos antes de tocar, ou mesmo segurando a flauta com a mão quente, especialmente na parte superior, próxima do canal e da janela. Isso é muito útil, especialmente nos dias muito frios, para que a flauta permaneça afinada durante a performance além de evitar o acúmulo de água dentro do instrumento. Se a flauta estiver na mesma temperatura de seu corpo, não haverá água acumulada por causa de condensação.

Flautas de madeira

A madeira é um material vivo, poroso e que “respira”. Por isso, além de todos os cuidados mencionados para as flautas de plástico, as flautas de madeira necessitam de alguns cuidados extras, mas, normalmente, a qualidade sonora compensa todos estes cuidados.

Diferenças entre os cuidados já descritos

  • Como a madeira é um material poroso, todos os cuidados referentes à limpeza devem ser tomados à risca, pois a sujeira pode penetrar na madeira, assim como bactérias e fungos também. Para evitar que isso aconteça, devemos passar óleo nos instrumentos de madeira, mas não abordarei isto neste artigo, pois, este é o tema do segundo artigo desta série. Aguardem!
  • Como a madeira é um material poroso e vivo, também não é apropriado lavar a flauta de madeira da mesma forma que se faria com uma flauta de plástico. Esta é mais uma razão para tomar os cuidados já descritos acima de forma redobrada, evitando que se acumule sujeira de todo tipo no instrumento, e também evitar que a umidade excessiva danifique a madeira. A limpeza da flauta de madeira será detalhada no terceiro artigo dessa série.

Cuidados extras

  • Uma flauta de madeira nova precisa amaciar. Para que a madeira estabilize coma temperatura e umidade do sopro, é necessário que se toque na nova flauta diariamente, porém não ultrapassando 20 minutos por dia. Alguns luthiers chegam a recomendar que se toque por 5 minutos por dia na primeira semana, 10 na segunda, 15 na terceira, e assim sucessivamente até uma hora, quando poderá usar a nova flauta em sua plena capacidade. Durante este período, evitar tocar no registro agudo;
  • O mesmo cuidado de amaciar é necessário quando a flauta é muito antiga, e ficou um longo período sem ser tocada;
  • A madeira da flauta costuma alterar quando o instrumento passa a ser utilizado, fazendo com que o som mude. Os luthiers e as fábricas já sabem disso, e costumam fazer o canal um pouco maior do que deveria, com o bloco da flauta ligeiramente mais baixo do que o ponto ideal. Desta forma, ao amaciar a flauta, o bloco incha e sobe, chegando assim no ponto necessário. Algumas vezes o bloco sobe mais do que o esperado, e nestes casos é necessário um pequeno ajuste que pode ser feito pelo luthier ou pelo fabricante;
  • Proteja sua flauta de variações bruscas de temperatura, ou de temperaturas extremas (abaixo de 10 e acima de 35 graus). A variação de temperatura faz com que a madeira mude suas dimensões, isso pode fazer com que abram rachaduras na flauta, e dependendo de onde estas rachaduras aparecem, podem inutilizar o instrumento. Além disso, temperaturas muito altas (como o interior de veículos deixados ao sol, por exemplo) podem derreter a parafina usada no tratamento da madeira (no caso de flautas de fábrica);
  • Pelas razões já descritas, toda flauta de luthier deve ser enviada de volta ao mesmo após cerca de 1 ano de uso. A madeira trabalha e muda suas dimensões com o tempo, e mesmo que estas variações sejam imperceptíveis, elas afetam o som do instrumento. O luthier fará ajustes necessários para que a flauta volte à sua melhor sonoridade;
  • Em viagens aéreas, prefira manter os instrumentos na bagagem de mão, dentro da cabine, sempre desmontados. Caso tenha que despachar os instrumentos, guarde os instrumentos dentro de sacos plásticos vedados (zip-lock) e dentro de caixas resistentes à temperatura e impactos. Conheço mais de um caso onde a pessoa viajou com flautas na mala, e ao chegar ao seu destino, constatou que a flauta estava rachada porém sem nenhuma evidência de pancadas. As flautas devem sempre viajar desmontadas, pois uma expansão ou contração da madeira devido à mudança de temperatura ou pressão pode rachar o instrumento nos encaixes, e isso é muito comum de acontecer;
Detalhe para mostrar como colocar linha na cortiça da flauta
  • Sobre os encaixes: estes devem estar firmes porém fáceis de manusear, isto é, fáceis para montar e desmontar, mas sem folgas e sem oferecer risco da flauta desmontar enquanto toca. Se o encaixe estiver muito duro, basta usar vaselina branca, facilmente encontrada em farmácias. Se estiver muito frouxo, basta enrolar linha de costura (algodão) por cima da cortiça existente, sempre tomando cuidado para que não esteja duro demais com o risco de causar rachaduras. Quando a linha for colocada, devemos passar cera de abelha ou parafina para que fique impermeável, pois a linha incha quando molha e isso também pode rachar amadeira. Este assunto será abordado com mais detalhes em um outro artigo futuro, sobre manutenção;
cuidados com chaves
Chave é o mecanismo, normalmente feito de metal, que quando acionado com os dedos fecha ou abre os furos do instrumento. Sapatilha é a parte de couro ou borracha, colado na chave, que de fato faz a vedação dos furos.
  • Flautas com chaves: as chaves requerem atenção especial para que não sejam forçadas de nenhuma maneira. Também devemos cuidar para que não seja colocado óleo nas sapatilhas com o risco delas ficarem grudando no instrumento.

Dicas

Para evitar que a flauta fique entupida com muita frequência, podemos usar o anti-condensador. Todos podem fazer o anti-condensador em casa:

  • 1 parte de detergente
  • 10 partes de água
Onde colocar o anti-condensador

Colocar a solução em um tubo com um conta-gotas. Antes de tocar, virar a flauta de ponta cabeça (com o bocal para baixo), tampando o canal com o dedo. Pingar algumas gotas do condensador no canal através da janela, em seguida abrir o furo e assoprar pela janela para remover o excesso.

O anti-condensador faz com que a água condensada dentro do canal não forme gotas, ao invés disso, a água forma uma fina camada de líquido que não chega a interferir no som. Ele pode ser usado tanto em flautas de plástico como em flautas de madeira.

Tópicos relacionados

7 Comentários para "Cuidados básicos com sua flauta doce"

  1. Valeu pela ajuda amigo. Me ajudou muito pois não tinha certeza de como limpar meu instrumento e estava com medo de fazer besteira.
    Obrigado… ótima postagem!

  2. Este assunto foi abordado com muita propriedade , parabéns pelo trabalho

  3. Parabéns pela forma como foi abordado o assunto. Não poderia ser melhor. Me ajudou e muito.

  4. Parabéns pelas explicações. Sou iniciante na Contralto Barroca e com toda certeza seguirei tuas instruções. Muito obrigado.

Deixe uma resposta


Artigo Inglês