Terei aulas de flauta doce na escola! Que legal… será?

04/

09/15

CuriosidadeMuitas histórias têm chegado a nós, através de amigos, e-mails ou mensagens, ou mesmo de alunos que nos procuram para fazer aulas de flauta doce, a respeito das situações que acontecem corriqueiramente. Como muitas dessas histórias são recorrentes e a maioria muito tristes devido à falta de conhecimento e dos péssimos desdobramentos, resolvi torná-las públicas protegendo a identidade de seus protagonistas.

Meu objetivo com isso é tentar mostrar a responsabilidade que recai em todos os professores, e que os mesmos assumam esta responsabilidade e com isso possam mudar a sua postura. O professor tem a responsabilidade de formar todas as outras profissões, e mais que isso, ele ensina valores à sociedade.

Terei aulas de flauta doce na escola! Que legal… será?

Essa situação aconteceu comigo, quando tinha entre 7 e 10 anos. Eu já estudava flauta doce em uma escola de música, e passaria a ter aulas de flauta doce também na escola regular. No início era empolgação pura, meus colegas já sabiam que eu tocava flauta. Mas assim que as aulas começaram, a empolgação foi diminuindo, diminuindo e… acabou. Lembro bem do meu sentimento aos 9 anos, nestas aulas da escola regular: eu era muito empolgado, chegava sempre na professora com muitas novidades e querendo tocar, mas eu via que a professora tratava as aulas como recreação, e que o que eu aprendia em 2 aulas na escola de música foram necessárias 40 aulas na escola regular. A professora nem corrigia os alunos que assopravam de qualquer jeito, nunca foi falado nada sobre articulação. Embora eu adorasse tocar flauta doce, tanto que fiz disso minha profissão, eu passei a não gostar daquelas aulas pela maneira com que as mesmas eram feitas, sem respeito algum pela música, e muito menos pela flauta doce.

Ao chegarmos na 7.a série, quando eu já tinha em torno de 12 anos de idade, esta mesma professora deixou a flauta de lado e passou a ensinar MPB, fazendo aulas de coro com os adolescentes. A partir daí, todos gostavam da aula, e para mim que já estudava música, a aula passou a ser mais palatável, embora em relação ao conteúdo, era bem elementar. Hoje eu me lembro de tudo aquilo, e me pergunto: por que esta professora não trabalhou desde o início o conteúdo que ela já dominava (no caso coro infantil e juvenil), pois assim, todos seriam motivados e ao final de alguns anos de aulas, todos teriam aprendido um conteúdo mais consistente, além é claro, de trabalhar as habilidades necessárias na formação de um músico (como disciplina de estudo, percepção auditiva, repertório, reconhecimento de estilos, e muito mais dependendo do que fosse trabalhado pela professora).

Temos alguns alunos que passam exatamente pela mesma situação. Em uma conversa com um aluno, quando falávamos sobre levar a flauta na escola, perguntamos se ele levava a sua flauta de madeira da Mollenhauer para as aulas na escola, e a sua resposta foi simples e direta: “Não, lá não vale a pena”. Ele sabe que ninguém naquela aula está interessado na qualidade sonora, e por isso só usa a flauta de resina na escola regular, não por exigência dos pais, não por exigência do professor, mas por saber que ninguém se importa.

E o que isso acarreta?

Essa situação tem vários desdobramentos, e podemos nos questionar quanto bem estamos fazendo ao ensinar a flauta doce nas escolas de qualquer maneira. Podemos fazer uma comparação: Se mesmo para um aluno interessado a aula foi desestimulante, quais os benefícios desta aula para os outros 35 alunos que estavam na mesma sala de aula?

Quando ensinamos algo sem o devido respeito, pelas nossas atitudes plantamos uma semente má, que ao invés de melhorar o ambiente cultural e musical da sociedade, ao invés de melhorar a percepção e a sensibilidade, faz com que nossos alunos gostem apenas do lixo cultural e comercial descartável. Se a aula de música é desestimulante e sem conteúdo, para que estudar música? Afinal não é senso comum que a arte é um dom ou talento inato? Creio que muitos dos alunos que estudaram na mesma sala de aula levaram este pensamento errôneo para toda a sua vida.

Na aula que serviria para levar aos alunos um pouco de música e arte que não existe na mídia de massa, eles tocam música comercial num instrumento que aprendem a odiar pela má formação de muitos professores.

E o que podemos fazer? Qual a solução?

FantasiasHoje posso dizer, com um pouco mais de experiência do que tinha com meus 12 anos, que o professor tem total responsabilidade pelo sentimento, exemplo e impressões que passa aos alunos. Muitas coisas poderiam e deveriam ser feitas:

  • O professor deve ensinar apenas o assunto que domina completamente;
  • Se não tem formação para ensinar flauta doce, use outras ferramentas que domina. Coro infantil, percussão, instrumental Orff, método Kodály, violão, ou outro instrumento, isso não importa. O que realmente importa é dominar o assunto que você vai ensinar;
  • Tenha respeito pela própria profissão e pelos alunos. Dar aulas sem conteúdo ou sem um objetivo claro é desrespeitar o ato sublime de ensinar. Aula de música e artes não é apenas recreação!;
  • Busque sempre a melhor qualidade possível em tudo o que se propor a fazer, e exija isso dos seus pupilos com o seu próprio exemplo;
  • Incitar a curiosidade nos alunos, mostrando repertórios diferentes do que eles estão acostumados (não é necessário escola para ensinar o que eles já aprendem em casa, com o rádio ou TV);
  • Mostrar que a música pode se tornar a profissão deles no futuro, mostrar vídeos de apresentações de músicos profissionais tocando bem, e quando possível, incentivar os alunos a assistirem concertos ao vivo;
  • Mostrar aos alunos outras crianças da mesma idade tocando bem, existem vários vídeos de crianças tocando bem na internet;
  • A melhor maneira de ensinar música é tocando. É muito importante para um professor de música que o mesmo tenha uma vida artística atuante, além da pedagógica. Por isso é importante que o professor convide seus alunos para vê-lo se apresentando em público, ou se apresentando no ambiente escolar, pois o bom exemplo ensina mais que 1000 palavras;

 

Um recado importante para diretores, coordenadores e orientadores de escolas:

Não exija do seu professor de música que ele trabalhe com flauta doce porque você pensa que a flauta doce é um instrumento mais adequado para crianças. Isso não é uma verdade única! O ensino de música é um gigante universo, há infinitas e diferentes possibilidades. Exija do seu professor que ele faça o que mais gosta, o que foi preparado para fazer, o que ele sabe fazer com propriedade. Assim, a sua escola e seus alunos terão o melhor trabalho, a melhor formação possível e consequentemente, o melhor resultado que vocês podem ter sem prejudicar a formação do gosto, sem prejudicar trabalhos respeitados e a relação da música que será construída na escola.

 

Tópicos relacionados

2 Comentários para "Terei aulas de flauta doce na escola! Que legal… será?"

  1. Gostei dos comentários !!!
    Sou testemunha de que a motivação primeiramente tem que vir do professor !! Trabalho com flautas do 1o. ao 5o. anos do fund.I , com arranjos à 3 vozes em repertório erudito e popular. Para nossa prox . apresentação serão mais de 300 crianças, tocando “Aleluia”de Handel, “Primavera” Vivaldi” , “Hallelujah” Shrek… e o mais importante: envolvidas e empolgadas frente ao repertório e ao “desafio” !!!

    • Cabe ao professor motivar e dar bons exemplos aos alunos, e pelo que você colocou, parece que está no caminho certo. Abraço!

Deixe uma resposta


Post