Revoice Magazine

Resenha: A Arte da Fuga – Revoice Magazine

11/

05/17

Recebemos mais uma resenha de nosso novo disco, A Arte da Fuga, desta vez pela revista inglesa Revoice Magazine. Traduzimos em primeira mão ao português, mas mantivemos o link para a resenha original em inglês:

“Uma execução distinta e inspiradora”: A Arte da Fuga com Quinta Essentia

Artigo original: https://www.revoicemagazine.com/issue-4/2017/4/25/review-quinta-essentias-art-of-fugue

Nós ficamos encantados em receber o último CD do Quinta Essentia, o quarteto de flautas mais importante do Brasil, para resenha nesta edição da revista. Summer Alp, estudante do último ano da graduação de flauta doce e oboé barroco no Royal College of Music em Londres, escreve esta resenha…

O Quinta Essentia é o principal quarteto de flautas do Brasil. Este é o seu terceiro disco desde que o grupo foi formado, há 10 anos atrás (os discos anteriores são “La Marca” de 2008 e “Falando Brasileiro” de 2013), e esta é a segunda gravação da Arte da Fuga com flautas doces (a primeira foi feita pelo Amsterdam Loeki Stardust Quartet em 1998).

Um consort de flautas está em posição privilegiada para tocar esta obra, que não possui instrumentação definida. Performances e gravações anteriores incluem um grande número de formações instrumentais, no órgão, piano, cravo, grupo de cordas, grupo de metais, e grupo de madeiras, como por exemplo quarteto de saxofones. Num grupo de flautas, cada voz pode se misturar perfeitamente com as outras resultando um som único, de forma que muitas vezes é comparado ao som do órgão, mas também é capaz de destacar cada uma das vozes de forma independente. O Quinta Essentia utiliza essas qualidades lindamente desde a primeira faixa do disco, dando o tom para o resto do disco.

A forma desta obra é excepcionalmente desafiadora: Bach escreve quatorze fugas (a última inacabada) e cinco cânones todos sobre o mesmo tema. Ainda assim, a gravação tem seus contrastes, com um senso de tensão crescente e decrescente com o passar da música, enfatizado pela proximidade dos instrumentos no final. Os músicos usam gestos sofisticados e triviais ao longo das fugas que dão unidade e fluxo a toda a obra.

A Arte da Fuga combina intelectualismo sério com alguns momentos mais relaxados dentro da composição, aos quais em ambos os casos, o Quinta Essentia consegue capturar nesta gravação. Para mim, os contrapontos 4 e 5 estão cheios de melancolia, o contraponto 12 é encantador, o contraponto 2 é bastante alegre, Canon alla Decima tem ar de dança, e o contraponto 9, emocionante. Com o passar da música, cada fuga e cada cânone é caracterizado para criar uma paleta de contrastes gratificantes.

O Quinta Essentia também aproveita a oportunidade de explorar as possibilidades da instrumentação, apresentando alguns movimentos como um órgão portativo (por exemplo no contraponto 9) e outros (como no contraponto 13) com mais nuances e inflexões de música de câmara.

Enquanto os instrumentos de forma geral se misturam muito bem, existem alguns momentos desbalanceados conforme o grupo assume os riscos de tocar em flautas de diferentes tamanhos. Isto se torna perceptível em algumas das relações entre os instrumentos graves e agudos, particularmente em termos de presença, notas sustentadas e articulações. Também existem alguns momentos menos atrativos nas partes extremamente agudas da primeira voz, mas isso não atrapalha na intenção da frase musical.

Em contraste com a gravação do Amsterdam Loeki Stardust Quartet, o Quinta Essentia escolheu tocar o último e inacabado Contraponto 14 “a 3 soggetti” com uma resolução (uma cadência, não uma composição interpolada) ao invés de deixar a obra inacabada. Isso deixa o ouvinte com uma sensação diferente, mas depois de uma performance tão pungente esse fato tem um efeito muito marcante, e eu gostei dessa solução para essa questão controversa. O Quinta Essentia também oferece a integral dos cânones (três mais do que o Loeki Stardust) para completar o disco.

Esta é uma gravação distinta e inspiradora que se destaca em meio a infinidade de gravações da Arte da Fuga.

Deixe uma resposta


Inglês Post